Empresa rebate prefeitura e nega ter descumprido contrato de transporte escolar em Porto Velho

A empresa de ônibus Rondonorte, uma das contratadas para o transporte escolar da zona rural de Porto Velho, rebateu as acusações do secretário de educação nesta quarta-feira (7) e disse que não está levando alunos às escolas, pois o poder executivo constatemente atrasa pagamentos. A empresa é responsável por 31% dos ônibus de áreas rurais da capital.

Nesta semana, o secretário de educação do município, Marcos Aurélio Marques, disse que as empresas responsáveis pelo serviço não estão cumprindo o contrato e uma nova licitação será aberta para a regularização do transporte.

Nesta quarta-feira, a empresa Rondonorte divulgou nota de esclarecimento, explicando que a empresa vem trabalhando com insumos de 2018, com valores equivalentes a 2013, sem reajuste a mais de quatro anos e com pagamentos constantemente em atraso. Esse fato, segundo a nota, causou desequilíbrio financeiro na empresa.

A Rondonorte diz ainda que a prefeitura tem entendimento equivocado do contrato e retém os pagamentos da empresa por ela não ter apresentado certidões negativas. “O Município está reiteradamente atrasando os pagamentos e não está pagando por mera vontade de prejudicar a empresa”, explica a Rondonorte. A empresa encerra a nota dizendo que retornará às atividades quando receber os valores devidos pela Semed.

Questionada sobre a suposta dívida, a Semed encaminhou nota ao G1, explicando que a Rondonorte é responsável por 31% dos ônibus do transporte escolar e que se comprometeu em retomar as atividades sete dias depois de a prefeitura realizar o pagamento. A data do pagamento à Rondonorte não foi divulgada pela Semed.

Por telefone, o secretario adjunto da Semed, professor Adisson Muniz, disse que a secretaria busca na Justiça a quebra do contrato com a Rondonorte e que vai abrir contrato emergencial para contratação de uma nova empresa.

Enquanto a empresa e prefeitura não se entendem, crianças e jovens de comunidades rurais, como a de Niterói e Nova Aliança, por exemplo, estão impossibilitadas de ir às escolas por falta de transporte público.

Confira, abaixo, as notas de esclarecimento da Semed e da Rondonorte sobre o transporte:

Fonte: G1